Energia limpa a 20 km abaixo de nós

por:
14/06/2022 as 08:51
De olho na Engenharia
Energia limpa a 20 km abaixo de nós

A Quaise recentemente anunciou um projeto de energia geotérmica à 20 km embaixo da terra que deverá ser praticamente ilimitada, ao utilizar uma broca de fusão.

A broca de fusão é a responsável por perfurar um buraco de cerca de 20 km de profundidade, a fim de extrair a energia limpa e quase ilimitada utilização a energia geotérmica.

De acordo com as informações divulgadas pela Quaise, a energia geotérmica é a única solução renovável e inesgotável com potencial para disponibilizar a todos lugares do planeta.

Essa energia está disponível a todos, não sendo necessário ultrapassar a crosta terrestre ou o manto, sendo possível a captar em apenas 20 km abaixo da superfície. https://youtu.be/_Bu5JFGJJp8

Projeto de energia geotérmica da Quaise

Os pesquisadores podem obter uma temperatura de até 500° nessa profundidade, o que é o suficiente para realimentar a maioria das usinas de energia movidas a combustíveis fósseis em todo o mundo.

A startup recentemente arrecadou US$ 40 milhões em financiamento, que será aplicado na tecnologia de fusão para perfurar um dos buracos mais profundos de todo o tempo.

Para isso, será utilizada a girotron, uma máquina normalmente usada para criar ondas eletromagnéticas milimétricas, a fim de superaquecer o plasma em reatores de fusão nuclear.

Ao invés do plasma utilizado nos reatores, a Quaise apontaria o equipamento para o solo, a fim de o perfurar com os feixes de energia.

Para Paul Woskov, engenheiro sênior de pesquisa de fusão do MIT, apenas 0,1% dessa energia geotérmica dele seria capaz de “suprir as necessidades de energia do mundo inteiro por mais de 20 milhões de anos”.

Como resultado, a sonda irá combinar a perfuração rotativa convencional com a perfuração de energia direcionada por onda milimétrica movida a girotron. Atualmente, a energia geotérmica atualmente fornece apenas cerca de 0,3% do consumo global de energia, apesar de seus diversos benefícios, como:

pouco espaço ocupado na superfície;

cada país terá sua própria fonte de energia;

sem emissão de carbono;

imensa energia;

entre outros.

Fonte: Engenharia Hoje, Quaise, New Atlas e Canaltech / Foto/Reprodução Quaise