Pesquisadores encontram objeto na Via Láctea ‘diferente de tudo que os astrônomos já viram’

por:
08/02/2022 as 19:15
De olho na Engenharia
Pesquisadores encontram objeto na Via Láctea ‘diferente de tudo que os astrônomos já viram’

Pesquisadores australianos descobriram um estranho objeto giratório na Via Láctea que eles dizem ser diferente de tudo que os astrônomos já viram.

O objeto, descoberto pela primeira vez por um estudante universitário trabalhando em sua tese de graduação, libera uma enorme explosão de energia de rádio três vezes a cada hora.

O pulso vem “a cada 18.18 minutos, como um relógio”, disse a astrofísica Natasha Hurley-Walker, que liderou a investigação após a descoberta do estudante, usando um telescópio no interior da Austrália Ocidental conhecido como Murchison Widefield Array.

Embora existam outros objetos no universo que ligam e desligam – como pulsares – Hurley-Walker disse que 18.18 minutos é uma frequência que nunca foi observada antes.

Encontrar esse objeto foi “meio assustador para um astrônomo”, disse ela, “porque não há nada conhecido no céu que faça isso”.

A equipe de pesquisa agora está trabalhando para entender o que eles descobriram.

Pesquisando anos de dados, eles conseguiram estabelecer alguns fatos: o objeto está a cerca de 4.000 anos-luz da Terra, é incrivelmente brilhante e tem um campo magnético extremamente forte.

Mas ainda há muitos mistérios para desvendar.

“Se você fizer toda a matemática, descobrirá que eles não deveriam ter energia suficiente para produzir esse tipo de ondas de rádio a cada 20 minutos”, disse Hurley-Walker.

“Isso simplesmente não deveria ser possível.”

As estranhas explosões de energia de rádio foram detectadas usando o telescópio Murchison Widefield Array na Austrália.

O objeto pode ser algo que os pesquisadores teorizaram que poderia existir, mas nunca viram chamado de “magnetar de período ultra longo”.

Também pode ser uma anã branca, um remanescente de uma estrela em colapso.

“Mas isso também é bastante incomum. Nós só conhecemos um pulsar de anã branca, e nada tão grande quanto isso”, disse Hurley-Walker.

“Claro, pode ser algo em que nunca pensamos – pode ser algum tipo inteiramente novo de objeto.”

Sobre a questão de saber se o poderoso e consistente sinal de rádio do espaço poderia ter sido enviado por alguma outra forma de vida, Hurley-Walker admitiu: “Eu estava preocupado que fossem alienígenas”.

Mas a equipe de pesquisa conseguiu observar o sinal em uma ampla gama de frequências.

“Isso significa que deve ser um processo natural, não é um sinal artificial”, disse Hurley-Walker.

O próximo passo para os pesquisadores é procurar mais desses objetos estranhos em todo o universo.

“Mais detecções dirão aos astrônomos se este foi um evento único raro ou uma vasta nova população que nunca havíamos notado antes”, disse Hurley-Walker.

O artigo da equipe sobre o objeto foi publicado na última edição da revista Nature.

Enormes explosões de energia de rádio que emana da Via Láctea foram observadas pela primeira vez por um estudante universitário.

Fonte: Engenharia é