Grama sintética uso, composição e instalação

por:
13/04/2021 as 10:26
De olho na Engenharia
Grama sintética uso, composição e instalação

A grama sintética é um material alternativo ao gramado natural. Versátil, essa solução pode ser instalada em ambientes externos ou internos, como playgrounds, lojas, salões de festa, quadras de esportes, terraços, varandas, bordas de piscinas e áreas decorativas.

A principal vantagem em relação à grama natural é que o material sintético dispensa a necessidade de irrigação e mantém a estética independentemente dos agentes climáticos. Mais resistente, a grama sintética possui proteção UV e, por ser antialérgica, preserva a segurança e salubridade dos ambientes.

Do que é feita

A grama sintética é composta por fibra de polietileno (PE) ou polipropileno (PP). Para aplicações esportivas, o material recebe bases duplas ou triplas que resistem ao atrito dos exercícios; areia sílica sob a base (que evita o desgaste gerado pelos cristais da areia convencional); e grânulos finos de borracha, que protegem a grama contra pontadas.

Já em aplicações decorativas, a areia de preenchimento varia conforme o local onde a grama será instalada. A composição é praticamente a mesma da esportiva, mas as bases podem ser simples, já que o grau de atrito é menor.

Densidades

– 12 mm: com fios curtos, é ideal para playgrounds, escolas, parques urbanos, condomínios residenciais, centros comerciais, entre outros

– 15 mm: com fios geralmente retorcidos, é recomendada em aplicações esportivas como quadras de tênis, futebol e minigolfe. Também pode ser utilizada em aplicações decorativas

– 20 mm: com fios completamente lisos, é preferencial para superfícies decorativas. Confortável, pode ser usada em brinquedotecas, ambientes externos, entre outros

– 30 mm: com aparência muito similar ao gramado natural, é indicada para jardins e outras aplicações decorativas

Como instalar

A instalação varia de acordo com o modelo da grama sintética e com o local. Há, basicamente, dois tipos de aplicação: sobre bases arenosas, o que requer fixação com pinos ou acomodação com ancoragens; e sobre contrapisos, com o material colado junto à superfície.

Comercializada em rolos, a instalação é feita desenrolando a grama sobre a base, que deve estar perfeitamente alinhada. As emendas requerem atenção especial, pois devem passar despercebidas no final da instalação. Quando a manta é colada, tanto o contrapiso quanto o verso da grama devem receber cola especial. Caso existam obstáculos na superfície, a grama precisa ser recortada para contorná-los. Após a instalação, basta aparar as emendas e cantos para dar o acabamento final.

A limpeza é feita com jatos d’água sem alta pressão. Em campos esportivos, o material requer escovação. A frequência da manutenção varia conforme o uso e a exposição a chuvas e sujeira.